Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

29 Comentários

Galo: a pior resposta é o melhor remédio

Galo: a pior resposta é o melhor remédio

Nunca pensei em falar sobre doenças e terapias, entretanto, o momento do Atlético me fez lembrar muito de uma patologia grave e de difícil tratamento.

Experimente conversar com algum ex-jogador do Galo e ele vai falar que a pressão no Alético é muito forte.
A escassez de títulos e a aparente estagnação fizeram o clima interno ferver e o resultado(falta deles) era visto em campo.
Bons times, bons treinadores e resultados fracos.
A tensão aumentava e de 2003 para cá ela vem acompanhada da Síndrome do Pânico.

O campeonato começa e o otimismo cego faz o torcedor cair no erro da euforia.
No entanto, a proporção é mesma quando o time apresenta quedas e o “ânimo” sai da euforia para a depressão. Logo as dúvidas tomam conta e a ameaça de rebaixamento se torna um fantasma.
Se as derrotas forem em sequência, as feridas sangrarão.
Cai treinador, cai jogador, torcedor ameaça greve e até enterro.

A notícia boa para quem sofre com a Síndrome do Pânico é que existem tratamentos eficazes. A péssima notícia é que a terapia requer o entendimento do que representa o mal e suas consequências.

Muitas vezes a Síndrome do Pânico também causa ferimentos.
O tratamento envolve a preocupação com os sintomas físicos e também com a fobia.
O tratamento físico deve ser o mais “tranquilo”. As feridas são tratadas muitas vezes sem a necessidades de grandes intervenções.
A fobia demora mais e a terapia requer a compreensão de tudo o que envolve a patologia (doença) e o tratamento.
É necessário mudar conceitos e hábitos, ou seja, não é fácil.

Por ter características sociais, o tratamento da Síndrome do Pânico requer o envolvimento da família e muitas vezes até a família precisa mudar seus conceitos.

Mas qual a relação com a situação do Atlético?
O diagnóstico é complicado, mas tudo indica que o Atlético sofra da Síndrome do Pânico.
A euforia anda de mãos dadas com a depressão e uma derrota acaba chamando outra e mais outra.
O fantasma passa a ser “tangível” e o medo tira a vontade de arriscar e atrai mais tropeços e insegurança.

Pare para pensar e lembre os anti-herois do Galo.
Tite é líder do Brasileiro e mostra solidez em seus trabalhos antes e pós-Galo.
Celso Roth foi campeão da Libertadores.
Luxemburgo é o treinador de apenas uma derrota em 2011.
Dorival vem de uma sequência longa de bons trabalhos em vários clubes e cumpre todos os objetivos nos clubes.
Maluf não era um líder e profundo conhecedor de futebol?
Não era cobiçado por todos os clubes?
A culpa é de todos eles e de ninguém mais?
É simplista a visão de que a direção é a maior culpada.
A direção está dando o tratamento.
Basta ver o que é a Cidade do Galo (faz parte do tratamento dos sintomas físicos).
Basta ver o crescimento na arrecadação.
No entanto, a cura dos sintomas físicos é a parte mais fácil do tratamento.

Direção, comissão técnica, jogadores e torcedores precisam ser tratados.
A parte inicial é ter consciência de que a situação é muito complicada na parte emocional.
O peso dos anos sem títulos e a assombração do rebaixamento precisam ser reconhecidos como sintomas de um mal maior.
É preciso trabalhar no conceito de que não é de uma hora para a outra que tudo vai mudar.
Trabalhar no conceito pode querer dizer ficar mais anos dando murro em ponta de faca, mas aprendendo a mudar o conceito de time derrotado e deprimido.
Pouco vai adiantar sair demitindo mais um treinador e ficar apontando culpados. É hora de tratar.
É hora de reunir e de se ajudar.
Ou será que vão ter de clonar um novo Telê Santana para o time voltar a competir sem traumas?

Dorival errou e tem errado, mas outros também erraram e o próximo vai errar.
Vai ser heroi em um ano e vilão no outro.

O caminho para todos os clubes é feito de 19 obstáculos, mas o Galo vive 20.
Luta contra todos advesários e contra os seus traumas e sua imensa pressão.

Na minha visão, apenas o tempo e a consciência de que é necessário mudar o jeito de trabalhar (romper com o demite e contrata e monta elenco em plena competição) podem servir como um tratamento com percentual respeitável de cura.

Existem outros caminhos. Alguns até mais curtos.
Entretanto, alguns remédios, que prometem mil e um benefícios, não se mostram tão eficazes e investir em respostas rápidas faz elevar o custo e perder tempo.

Consciência, união, tempo e comprometimento – uma vez por dia é a posologia.
Na minha visão, qualquer outro tratamento apenas servirá como um prolongamento, uma sobrevida e acabará trazendo mais depressão.

É hora de entender que o seu Galo não é seu. Um Atlético competitivo e vencedor não surgirá com a repetição de velhos erros.
O melhor a ser feito é reconhecer os limites, buscar uma maneira simples de jogar e tentar reconquistar o direito de errar, acertar e ganhar.

[related_posts_by_tax posts_per_page="4"]
  • Bruno

    A SITUAÇÃO DO GALO É REFLEXO DA FALTA DE COMANDO

    Jogadores se acham os donos do Clube.

    Uma instituição como o Atlético não pode ser refém de vaidades.
    A começar pelo presidente, diretoria, comissão técnica e jogadores.

    Ta ná hora da limpeza geral. Doa a quem doer.

    Gestão profissional já!

    Parabéns pela analise Mário. Abraço
    Parb

  • Otávio Rangel

    Sensacional.

  • http://www.rapogalo.blogspot.com Mateus Frossard Papini

    Mário, gostei bastante do texto. Mas a síndrome do pânico atleticana dura desde 1971 e vem agravando cada vez mais…a massa já não aguenta mais!

  • Deivison Oliveira

    Marra espero que alguém da diretoria comissão técnica ou jogadores leiam este texto inteligente parabéns pelo trabalho falou tudo. Meu twitter é @DeivisonCarlos

  • André Guimarães

    Só não concordo com 2 coisas neste post muito bem escrito e verdadeiro em quase tudo.
    O Celso Roth não venceu libertadores não , jogou os últimos 4 jogos com o melhor plantel do Brasil e que queria vencer.
    E O Maluf eu não sei se entende muito de futebol não, o stimes o querem sim , mas por puro marketing e por acharem que o sucesso do cec passava por ele , e digo que não passou, ele apenas contratou quem o Zezé mandou contratar, nas marias quem contrata e descontrata é o zezé, ou vcs acham que o Dimas Fonseca sabe alguma m…? Vcs acham que o Dimas Fonseca que achou o Naldo da ponte preta que por sinal tem salário muito mais baixo e é muito melhor do que Leo Silva ?
    Foi o Zezé. O Maluf é um diretorzinho comum, comum, normalzinho da silva pra não dizer ruim.

  • http://www.galocast.com Zeca

    É uma teoria interessante, mas em 2009 esse clube com jogadores limitados chegou a liderar grande parte do campeonato, não sustentou a posição pela fragilidade do elenco e não por história recorrente.

    2009 meio que derruba a teoria, mas ela não deixa de ser interessante.

  • Daniel

    Marra,

    parabéns, você conseguiu colocar em palavras o câncer que sufoca o Clube Atlético Mineiro, adoro este clube incondicionalmente como todos os atleticanos, o que sinto ao longo destes anos que os presidentes e diretores ficam tão envolvidos nesta atmosfera negativa que o clube “respira” que até as boas intenções dão errado, que profissionais competentes não conseguem realizar bons trabalhos, treinadores e jogadores já recebem uma cartilha com os dizeres “a quatro décadas não ganhamos nada”…tenho 33 anos e o Galo me proporcionou mais desgosto do que alegrias, fico comparando o atletico de hoje com aquele das décadas de 70 e 80 e fico pensando….o galo já foi grande, respeitado….mas a cada ano a esperança se renova mas nada de novo acontece, é triste…dói ver o atlético ser motivo de piadas e chacotas, a realidade é dura mas a cada ano que passa vejo abrir um abismo entre o Cruzeiro e o Galo, não é atoa que ficamos 16 jogos sem ganhar um clássico, não é o árbitro, não é falta de sorte…é a diferença técnica e emocional entre os dois clubes, jogar no Cruzeiro é muito mais fácil, no Altético impera a intranquilidade. Será que um dia este inferno astral acabará???

  • ALESSANDRO MENDES DOS SANTOS

    Oi Marra:

    Você é o primeiro a tocar na real ferida do Galo. Parabéns.
    A prova está no choro sincero do Dadá hoje no Alterosa esportes.
    Está no Youtube: Dadá Maravilha perde a paciência, se revolta e chora pelo Galo .

    Um abraço.

  • Welber

    Muito bom, Marra, ótima análise de alguém inteligente e ponderado. Eu mesmo sou mais pacional, quero demissão de uns 8 jogadores come quietos ou ruins mesmo e não descartaria a demissão do Dorival, contudo, acredito que se demitissem uns 8 que ganham altos salários e mantivessem o Dorival, teria efeito melhor do que a simples demissão do treinador. Mas a análise é perfeita, eu imagino que pesa, isso não há dúvida, e ainda mais com o rival tendo ultrapassado o Galo na hegemonia estadual. Isso foi um duro golpe para mim, enquanto criança, na década de 80, o Galo passeava contra o Cruzeiro, era igual tirar pirulito da boca de criança. Eu cresci tendo absoluta certeza da hegemonia estadual e sempre no “quase” no brasileirão. A nossa sina na época era de “morrer na praia”, mas veja, éramos sempre dentre os 4 primeiros, hoje beiramos sempre os 4 últimos. Acho o Kalil um cara do bem, tenta o melhor, faz contratações de impacto, mas acho que falta algo mais. Poderia até fazer menos contratações de impacto mas em jogadores em atividade. Hoje vemos que temos um time formado por muitos jogadores em fim de carreira, alguns que não almejam mais nada. Temos Daniel Carvalho, Magno Alves, Mancine, Richarlyson, Leandro. Destes, nem todos são descompromissados, como é o Daniel Carvalho, por exemplo, mas estão apáticos, sem raça, quase falecidos. Temos outros horrorosos como Patrick, Renan Oliveira, Guilherme Santos, Ricardo Bueno. Ainda temos o Fábio Costa, que nem precisa bater ponto pra ver o salário “pingar” na conta. Fato é que sua sugestão é super válida, mas a inércia atual só vai ajudar postergar os fracassos, o time continuará sofrer derrotas humilhantes, começando pelo próximo domingo contra o América. O Levir Culpi chegou no meio de 94 e conseguiu mudar a cara de um time boêmio e lento, para um time competitivo, e a principal medida que fez foi justamente encostar os descompromissados. Aliás não precisa novo Telê, Levir Culpi é o único treinador que hoje pode vir para salvar a situação emergência.

  • http://twitter.com/petroniomendes Petronio

    Excelente texto, Marra! Gosto muito do seu trabalho, mas nesta análise você se superou. Sou atleticano e não me dá alegria ler tudo isso, mas tenho que concordar. Essa é uma faceta importante da “crise crônica” do Galo. Como costumo dizer pra mim mesmo, num gesto de infinita esperança, “Deus ajude o meu Galo”. Abraços

  • José Augusto Toscano Boaventura

    Ê Marra!

    Como sempre, sensacional.

    Entreta

  • http://. Wender Carvalho

    Mario, escreveu o que eu penso sobre o caso do Galo, parabéns…vc conhece…abraço Wender

  • Rogério Dias

    Caracas, me vi neste texto do Marra…acho que é por aí mesmo…em suas considerações ele citou treinadores, mas vale a reflexão a respeito de jogadores, um olhar bem amiúde, o cara joga bem, tem meio mundo correndo atrás do cara, o GALO contrata e ele vira perna-de-pau, depois que sai do GALO se torna campeão…
    CASO EMBLEMÁTICO: Éder Luís, execrado, xingado, não é um fora de série e nem foi campeão sozinho mas, foi pro SP e pimba Campeão Brasileiro, não teve espaço no Benfica, retorna ao Brasil e vai para o Vasco e pimba Campeão da Copa do Brasil. Será que ele é tão ruim assim como boa parte da torcida fazia parecer, ou o medo de errar num deixa o cara arriscar…sem comparar a qualidade técnica parece o Messi na Argentina, se erra o mundo cai matando então sinto que ele tá travado pra arriscar, já no Barça, não tem essa pressão, parece que ele num erra, mas erra sim, só que o mundo não cai na cabeça dele e na próxima jogada ele acerta…
    Sei lá, temos que rever muita coisa para nosso GALO voltar a figurar como clube vencedor.

  • Paulo

    Parabéns! Porém, quero lhe dizer, que a vida me ensinou um ditado simples: ” o comando é vago quando falta competência, conhecimento e relacionamento. Estes três adjetivos, quando acertados, facilita o comando. Os subordinados ficam satisfeitos quando o comandante é conhecedor. Aí sobra alegria e prazer em executar a sua tarefa.”
    Dos jogadores contratados quais foram titulares absolutos em seus clubes anteriores? O equívoco Marra, então, está em quem foi contratar. Faltou conhecimento! Agora tem-se um grupo, sem ter uma equipe. Ano passado foi a mesma coisa e assim será quando o comando maior não ditar as regras.
    Ordem sem progresso é inútil, progresso sem ordem é falso.
    Abraços!!

  • Iossi

    Concordo plenamente, Marra! Grande texto. Principalmente o final.

  • http://@elibit Eliane

    Marra, imagina um torcedor cético e sem euforia? Não seria um torcedor e sim um crítico de futebol, um analista, um comentarista , como você. Eu não concordo quando falam da nossa cegueira, paixão ou euforia como prejudiciais. O que seria do GALO sem ela? Um time melhor? Se a gente não acreditasse, não fosse a campo, não apoiasse, não se animasse com as vitórias e não tivesse esperanças com as contratações o time jogaria melhor? Se não esperássemos nada, teríamos mais por isso? Não acredito em Síndrome de pânico não. Creio em síndrome de incompetência geral. Revés todos os times passam, já passaram e superam. Porque no GALO seria mais difícil a superação? O Vasco caiu, voltou e foi campeão da CB. O Coritiba caiu voltou e foi vice da CB. E com times bem medianos. Eles não tinham pressão não?

  • Vander Ribeiro

    Mário,

    exato em cada caracter!

    grande abraço,

  • Raws.BH

    Marra bom dia, sua teoria é muito interessante mas questiono outros pontos, o Bernard pode não ter sido eficiênte no jogo porém todos viram a vontade que o menino entrou, o Serginho no meio foi o único que mostrou garra apesar de tecnicamente não ter jogado bem, então penso que mesmo com síndrome se todos os jogadores disputassem as partidas com a vontade do Bernard(toma um vermífugo Renan Oliveira) não existiria espaço para pânico. Quanto ao Dorival, seu desãnimo é o retrato do time e meu medo é continuar apostando no mesmo e ficar tarde para mudar. Mario analise o trabalho do Dorival neste ano independente dos resultados e veja que ele bebeu da mesma agua do Luxemburgo ou seja, tá perdidinho! Abraço.

  • José Eduardo Barata

    Marcial
    Reginaldo , Willian , Procópio e Marcelino
    Diná e Fifi
    Luiz Carlos , Nilson , Viladônega e Noêmio

    Independência , bi 62/63

    Tinha lá meus 12 , 13 anos e pegava o bonde Santa Tereza ,
    descia na praça e fazia a caminhada até o estádio .
    Assistia jogos também na Alameda , em Lourdes …

    E aquela camisa preta e branca agitava meus sonhos de
    garoto .
    De 65 a 70 vivi um pesadelo , que me assombrava na forma de
    Tostões , Dirceus , Evaldos …

    A década de 70 , os anos 80 … que sensação , que futebol ,
    que magia …

    Charanga do Júlio , Zé das Camisas , Barbatana , Nelson Campos
    e Valmir Pereira , Telê Santana , Dragões da FAO , um time
    inteiro nascido e criado nas categorias de base , olheiros
    espalhados pelo interior e indicando bons jogadores , alguns
    com DNA de craques … que orgulho !!!!

    Os caras vinham jogar no Galo porque torciam para o Galo ,
    procuravam o Zé ou Barbatana com as chuteiras nas mãos e
    o emoção no peito … Lola , Lacy , Humberto Ramos …

    Os que vinham de fora chegavam para se afirmar , mostrando
    dignidade e profissionalismo … Palhinha , Oldair , Renaldo ,, Dario , Renato , Éverton ….

    É , meu caro Marra , mas Síndrome do Pânico coisa nenhuma .
    O que existe hoje é falta de vergonha na cara , falta de respeito , qualidade , comprometimento .e … bem , poderia
    ficar aqui a listar as “faltas” o dia inteiro .

    Vergonha na cara ! Respeito ao Clube Atlético Mineiro !
    Respeito aos que , ao longo dos anos , transmitiram aos filhos
    e netos essa paixão preta e branca , que palavra alguma
    consegue traduzir .

    A atual situação do Galo é o resultado de anos de exploração
    do clube por dirigentes medíocres , os verdadeiros culpados .

    O Atlético é nosso .
    O Atlético é da torcida .
    O Atlético é nosso orgulho .

    P.S .
    A atitude do jogador (???) Guiherme Santos traduz fielmente
    a falta de vergonha que impera em Lourdes , sem uma ação
    drástica que deveria ser tomada pela diretoria .
    Uma lástima !!!!

    • Allysson Oliveira

      Caro José Eduardo,

      perfeita sua análise…

      E seu texto me deu saudade de uma época que vivi de perto…

      Bons tempos…

      Abraços

  • audisio

    Mário, este comentário mostra que você é um dos raros verdadeiros jornalistas esportivos no país que entendem a questão dos clubes mineiros e principalmente do Atlético.
    Acrescentaria que este trauma do inconsciente coletivo atleticano iniciou-se em 1977 naquela tarde que o melhor time da história com a melhor campanha da história perdeu invicto o campeonato. O bloqueio é tão grande devido às característica totalmente únicas do trauma. Invicto, com o melhor jogador do mundo da época no elenco, dentro de sua casa com uma massa de 107.000 pagantes derramando lágrimas numa tragédio do tamanho do Maracanazzo. Nem sei se existem tratamento devido a gravidade da doença.

  • Paulo Henrique Rodrigues

    Caro Mario,

    Parabéns pelo texto. Não sabia que eras Médico também (e dos bons).

    Grande abraço.

  • Paulo

    Quem deveria ser o chefe? Na ausencia de conhecimento o mandatario se subordina ao tecnico, quem dita as regras. O tecnico, por sua vez, nao sabe administrar conflitos, tem conhecimento, mas nao lidera com exatidao os seus comandados. Estes, por sua vez, ficam perdidos e, como se sentem inseguros, pela fragilidade tecnica de origem, nao conseguem se impor perante as dificuldades. O resultado fracassa. Quantidade difere de qualidade. E o présidente, NAO justifica as caras contratacoes, de qualidades duvidosas, nao procura saber, antes, se valem a pena, quer gastar. Foi assim ano passado e quase caimos de divisao. Porque, de fato, acontecem estas contratacoes???
    Sobre o treinador, ainda, eu soube que em outra epoca ele jà havia sida contratado pelo Atletico e, de ultima hora, optou pelo Cruzeiro….
    Que os c eus ajudem o Galo!!!!!!

  • RICARDO MOREIRA

    Certo, Mário. O kalil precisa de terapia, mas antes de ele se curar deveria ir embora. O erros dele são recorrentes, isso na psicologia tem um nome, não sei qual é , mas tem um nome.
    Por que sempre que ele dirige o time ou morre na praia ou vive rondando a ZR? Aí vai pra Itatiaia dizendo que os jogadores borraram ou manda um amarra cachorro dispensar o Celso Roth no vestiário para colocar a culpa nele e em uma jpogada de marketing contrata um técnico decadente como o Luxa.
    Chega da imprensa mineira acobertar os Kalil e Perrela! Um exemplo, Kalil vendeu Obina e teve a cara de pau de dizer que o Galo não tinha participação no passe dele. Contrário do que toda a midia negociou quando obinia foi comprado. Veja:

    http://globoesporte.globo.com/Esportes/Noticias/Futebol/0,,MUL1456578-9825,00-ATLETICOMG+CONTRATA+OBINA+POR+TRES+ANOS.html

  • Allysson Oliveira

    Marra,

    tenho andado ausente, estou a trabalho na Amazônia e escrevo hoje de Alta Floresta, extremo norte do Mato Grosso.

    Voei o fim de semana inteiro e além da tristeza de perceber que estão acabando com a Amazônia não tive o desprazer de ver o Galo jogar com o Mequinha.

    Sua análise Marra é perfeita. Como sempre você foi lúcido e sensato.

    Temos mesmo um trauma que talvez supere o “Maracanazzo” de 1950. O nosso é recorrente e vem desde 1971, 1977, 1980, 1981, 1985, 1987, 1999, e outros anos que não citei.

    Alguns citam a tese da cabeça de burro enterrada na sede, ou a maldição do manto da santa…

    O que sei é que no futebol quem se organiza e planeja costuma vencer.

    No meu trabalho por exemplo temos de elaborar um plano de ação, conhecer a área que vamos operar, o efetivo e capacidade de reação do “inimigo”, condições de reabastecimento em área de selva, ou seja PLANEJAMOS TUDO.

    Alguém consegue ver isso no Galo???? O CT é um começo, mas e o resto??? Somos piada de todos os adversários.

    O Galo de Kalil repete erros históricos. Um time que contrata na temporada 2010/2011 mais de 70 jogadores não deve ser levado a sério.

    Essas contratações tem critérios mais que duvidosos.

    O clube aparenta estar acéfalo, em outros tempos, de um Walmir Pereira por exemplo esse Guilherme Santos não pisaria mais no Galo.

    Vejo isso tudo com tristeza.

    Não acredito na cura.

    Eu sou um sofredor a mais de 40 anos, meu filho de 16 anos cruzeirense já viu o time dele ganhar vários títulos de expressão nacional e continental.

    Eu joguei a toalha…

    Cansei…

    Abraços e parabéns Marra.

    • Raws.BH

      Allysson boa noite, permita-me discordar em parte deste comentário por uma filosofia que a vida nos ensina em varios momentos e em varias situações diferentes, exemplo: Um amigo no ultimo final de ano perto do natal e dolorosamente no dia de seu aniversário perdeu uma de suas trés filhas por suícidio aos seus dezesete anos, dor maior? Não posso imaginar e nem sabia o que falar, mas falei, expus para ele que Deus deu-lhe um presente que ele pode curtir por dezesete anos, curtir seu nascimento , curtir seu crescimento, curtir alegrias e até tristezas que fazem parte deste maravilhoso jogo que é a vida e também o lembrei de tantos que só podem curtir essa magia por muito menos tempo. voltando ao futebol que é o tema, eu pude ter a felicidade de ver talentos, curtir grandes vitórias e sofrer com grandes decepções por não alcançar o pseudo objetivo maior:
      Os titulos. Não Allysson, o caminhar, o tropeçar, o cair e o levantar nos proporcionam alegrias eternas e os títulos são muitas vezes efémeros, não querendo diminuir quem os tem mas continuo com a certeza de que fui mais feliz perdendo a copa de 1982 do que ganhando a de 1994! Abraços

      • Allysson Oliveira

        Raws,

        sem problemas discordar, mas confesso que não entendi seu comentário nem onde teria discordado do meu…

        No mais tudo bem pois não vi nem quis saber do jogo contra o Santos ultradesfalcado…

        Apenas mais do mesmo para a triste MASSA…

        Parabéns Kalil, Dorival, Maluf… vcs estão certos e a MASSA errada…

        Abraços

        • Raws.BH

          Allysson bom dia, concordo que meu texto ficou meio confuso, é que as vezes a falta de tempo e a pouca facilidade que tenho para textualizar uma opnião(me expresso melhor falando) me complicam. O que tentei colocar foi que nos 40 anos citados você deletou muitas alegrias, os talentos que nosso time possuia e nos proporcionava verdadeiramente arte até o rural hoje falado tinha outra importancia, com relação aos títulos que são importantissimos só discordo da mioria que acha que quando não se ganha não valeu a pena e usei o exemplo da tragédia para ilustrar que mesmo essa adolescente vivendo só os poucos dezesete anos e não chegando a terceira idade que é um objetivo natural, valeu muito para ela e para família o percurso que ela percorreu!
          abracos.

  • auleci

    gostaria de saber por onda anda ex: promessas do galo gilmar que chegou as seleções de base do brasil, pirapora,januario,e o goleiro mauricio, desculpas se o assunto e outro obrigado pela atençao. abraço e parabens pelo trabalho.